Lei seca


Ok, é um assunto batido. Mas ainda assim, pertinente. Caso discorde, ignore o post, ou me xingue, se isso fizer com que se sinta melhor.

Muito me intrigam as fervorosas discussões sobre a tal da Lei Seca. Vejam, de um lado, é toda uma legião de universitários (e não apenas estes) querendo beber e voltar pra casa, oras bolas. Uma injustiça social. Ó céus.

Por outro lado, o bom senso. Auto-explicativo. Beber e dirigir é perigoso.

Mas eu, como exímia biriteira (modéstia à parte), penso que não vai adiantar em nada ficar discutindo sobre a lei e o filho que a criou. Fato, a lei tá aí. E agora?

Hipocrisia é dizer que não é o fim do mundo, pois existe táxi. Na boa, (pra mim) qualquer rolezinho sairia pelo menos 60 reais só de locomoção. Isso sem falar na entrada da balada, ou couvert do bar. Sem falar no que você vai comer. E claro, sem falar no que você vai beber. Até aí, já perdi a conta. E a carteira.Quanto aos ônibus, não funcionam durante a madrugada.

Tem também a estória do ideota "amigo da vez", ou também "piloto da vez".

É claro que existem os caretas. Mas estes já desenvolveram ao longo dos anos uma admirável habilidade extraordinária de se divertir à noite sem beber, não sei bem como ou porquê.

Me parece que a solução segura é uma festa onde todos podem beber até morrer e por lá mesmo dormir (pouco viável). Mesmo porque não deve ser legal correr o risco de ter que pagar 900 reais, perder a habilitação por um ano e ter o veículo recolhido (ou até mesmo sofrer um acidente – ai credo!) porque você resolveu tomar uma depois do trampo.

Como não sei a solução para esse dilema aparentemente insolúvel (com o perdão do uso do enfático pleonasmo), não sei bem como concluir o post, sorry.

Mas, enfim… seja bar, balada, festa… podem me chamar, prometo que não vou dar vexame.

Ps1: Juízo na noite, galera.

Ps2: Boa sorte na busca de um amigo careta com carro e boa vontade!

Nenhum comentário: