"O amor romântico é como um traje, que, como não é eterno, dura tanto quanto dura; e, em breve, sob a veste do ideal que formámos, que se esfacela, surge o corpo real da pessoa humana, em que o vestimos. O amor romântico, portanto, é um caminho de desilusão. Só o não é quando a desilusão, aceite desde o príncipio, decide variar de ideal constantemente, tecer constantemente, nas oficinas da alma, novos trajes, com que constantemente se renove o aspecto da criatura, por eles vestida."

Fernando Pessoa
Os sentimentos contraditórios que vivenciam os apaixonados, ora ansiosos e insatisfeitos, ora sentido-se plenos e completos, são interpretados por uma narrativa mítica que explica o dilema de quem ama. Conta essa narrativa que havia uma deusa grega que se chamava Penúria, extremamente miserável, que vivia sedenta e faminta. Havendo uma grande festa dos deuses, Penúria não fora convidada, mas no final da festa, ela veio e comeu os restos, as migalhas que sobraram. Satisfeita, a deusa dormiu com o deus Poros, um astuto e engenhoso, dono de uma personalidade envolvente. Dessa relação sexual nasceu o deus Eros, mais conhecido como Cupido. Eros herdou do pai e da mãe suas características mais evidentes, ora faminto e sedento, ora envolvente e astuto. Desde então toda pessoa que é acertada pela flecha de Eros passa a vivenciar os sentimentos contraditórios que ele herdou simultaneamente de Penúria e de Poros.O mito do amor tenta explicar o conflito dos sentimentos das pessoas apaixonadas.
Como vc pode amar outra pessoa se não ama vc mesmo, se está infeliz com vc mesmo ?

Pense nisso !
Porque será q fazem sempre tantas canções de amor? Ninguém cansa não é ?!
E o pior é que todo mundo canta, inclusive eu.
De minha parte as vezes não aguento. Noventa e nove e um pouco mais por cento das músicas que existem são de amor, de romance, e bla bla bla.
Quero cantar só as canções de protesto contra as canções de amor, seria uma boa.
Odeio "As Time Goes By" e afins, muito ciúme, muita queixa, muito "ai" muita saudade, muito coração, muita melação. Não só nas canções como nos filmes.
Por isso que sou fã de madagascar, é um filme totalmente sem romance nenhum!

Ego ! santo ou maldito? eis a questão


Se eu parasse para comparar tudo o que sou agora com o que eu fui ontem, eu ia me deparar com um fluxo permanente de um paradoxo inexplicável, porém indispensável. Tudo que eu disse e ouvi ontem, ficou preso num espaço temporal que não revela quem somos ou o que procuramos, é apenas pano de fundo para a próxima mudança. Estranho? Se nos prendermos a um processo lógico de causa e efeito, com certeza ficaremos presos a perspectivas, o que acaba onerando uma subjetividade que é peculiar a todos os seres humanos. Entretanto, mudanças em um processo constante e deliberado, pode confundir um perfil desconhecido em algo inexplicável e sem confirmações. Então exista enquanto ser e desista de não ser, aplicando-se em ter uma vida mais participativa, haja visto que o ostracismo de sua possível petulância quanto às coisas e informações, podem ser tsunâmicas e, ou lhe levam para o fundo inóspito do desprazer, ou lhe lançam para uma onda perfeita que, se surfada de maneira progressiva e corajosa, acaba renovando um espírito comabalido pelas atrocidades do desconhecido e incrementa sua genética com um novo cromossomo que formará sua carga dominante, e lançará a recessividade de seus medos a mudanças, ao mesmo espaço onde um dia, imperará sua arrogância de achar que a vida de todas as coisas deste mundo, circulam em torno do seu ego.