Happy new year !

É "gentem", estamos chegando no finalzinho de 2010, e em todo mundo, mesmo que seja por um curto tempo, bate aquela retrospectiva do que fizemos no ano, do que vamos mudar no ano seguinte, enfim... Promessas e mais promessas surgem para o ano que vai nascer. Almejamos sempre o melhor para cada inicio de ano, cada um com um ritual diferente como pular as sete ondinhas, comer as uvas e guardar o caroço, só usar branco e ver os fogos de artificio, enfim... Rituais e mais rituais, mas como captar a essência da vida? Afinal de contas, o que realmente importa? Do que precisamos? Perguntinha dificil essa né Agora pensando eu ca com meus botões: o ano tem 365 meia-noites. A maioria delas as pessoas passam dormindo, lendo (Eu), vendo Tv, enfim. Mas ao menos em uma meia-noite do ano, o zerar dos cronômetros simboliza muito mais do que a razão de uma festa. O ano muda, mas, se quisermos, tudo continuará lá, como se, para nós do calendário gregoriano, do dia 31 ao dia primeiro apenas mais um dia tivesse se passado. As mudanças se operam dentro de nós graças aos fogos, à contagem regressiva, aos abraços e ao tim-tim do champanhe. Essa é a importância dos rituais de passagem no fim de ano que, a um olhar mais descrente, podem parecer grandes bobagens, mas, afinal, nos ajudam a renovar fôlegos, promessas e esperanças. Antes mesmo dos fogos de Copacabana, ja se comemorava o ano novo na Babilonia, mais ou menos uns 2000 anos antes de Cristo. Naquela época, a passagem de ano já estava associada à idéia de começo e de renovação, e hoje não é muito diferente. A unica diferença são os fogos. Tudo o que alimenta os sentidos, audição, visão, paladar, ajuda a marcar uma transição. Por isso, comemoramos o ano novo com comida, música e fogos para assinalar o começo de uma nova fase, de um novo ciclo. Nosso dia-a-dia está cercado de rituais de passagem. Quem nunca, numa noite, recebeu um telefonema com um convite para um programa e negou porque já estava de pijama? A rigor, esse fato não impede nada, basta trocar de roupa e ir pra rua. Mas colocar o pijama é um ritual de passagem, da hora de estar acordado, sair, fazer coisas, para a hora de ir dormir. Já imaginou uma festa de aniversário sem o "Parabéns"? É outro ritual. Os rituais de passagem que possibilitam supor um começo renovado, melhor do que o dia de hoje, são sempre marcados por festejos e estímulos sensoriais. Tudo isso ajuda a fincar transformações, mudanças. E já que tudo isso só depende de nós mesmos, que tal começar a passagem renovando a certeza de que nunca vamos deixar de comemorar?
Feliz ano novo!



Nenhum comentário: