Ego ! santo ou maldito? eis a questão


Se eu parasse para comparar tudo o que sou agora com o que eu fui ontem, eu ia me deparar com um fluxo permanente de um paradoxo inexplicável, porém indispensável. Tudo que eu disse e ouvi ontem, ficou preso num espaço temporal que não revela quem somos ou o que procuramos, é apenas pano de fundo para a próxima mudança. Estranho? Se nos prendermos a um processo lógico de causa e efeito, com certeza ficaremos presos a perspectivas, o que acaba onerando uma subjetividade que é peculiar a todos os seres humanos. Entretanto, mudanças em um processo constante e deliberado, pode confundir um perfil desconhecido em algo inexplicável e sem confirmações. Então exista enquanto ser e desista de não ser, aplicando-se em ter uma vida mais participativa, haja visto que o ostracismo de sua possível petulância quanto às coisas e informações, podem ser tsunâmicas e, ou lhe levam para o fundo inóspito do desprazer, ou lhe lançam para uma onda perfeita que, se surfada de maneira progressiva e corajosa, acaba renovando um espírito comabalido pelas atrocidades do desconhecido e incrementa sua genética com um novo cromossomo que formará sua carga dominante, e lançará a recessividade de seus medos a mudanças, ao mesmo espaço onde um dia, imperará sua arrogância de achar que a vida de todas as coisas deste mundo, circulam em torno do seu ego.

Nenhum comentário: